Ir para o conteúdo principal

Escolhendo o advogado certo para ajudar a vender sua empresa

Contribui com este artigo Saktish Pillai, consultor jurídico do Grupo Volaris.


Depois de decidir vender sua empresa, uma das áreas com as quais você precisará de suporte é o lado legal do processo de fusões e aquisições. Embora você já possa contar com um advogado de negócios, é uma boa ideia buscar os serviços de uma assessoria com mais experiência em M&A. O consultor jurídico certo ajudará a garantir que você entenda o processo, orientará sobre os riscos, advogará em seu nome e, finalmente, fechará o negócio.

Confira alguns pontos sobre os quais pensar ao escolher um consultor jurídico:

1. Quando envolver um consultor.

Muitos vendedores optam por envolver um consultor jurídico depois de terem assinado uma Carta de Intenção (LOI) não vinculativa que descreve os principais pontos do acordo, enquanto outros preferem envolvê-lo já durante a negociação da própria LOI. Essa decisão deve ser baseada no conforto pessoal e na sua familiaridade com os documentos necessários.

2. O profissional tem experiência em fusões e aquisições?

Analise sua experiência na conclusão de aquisições, bem como a profundidade de seu conhecimento no setor específico que sua empresa atende. Também é importante que seu consultor tenha conhecimento sobre as nuances de seu mercado específico, para que seja possível identificar os riscos do acordo. Mitigar riscos é uma preocupação especialmente importante se sua empresa opera em um setor regulamentado ou complexo, como é o caso dos serviços financeiros. Antes de contratar um consultor jurídico, seria útil pedir referências para ajudar a avaliar o número e o tipo de transações que o profissional concluiu.

3. Status do consultor confiável.

Você precisa se sentir confortável em compartilhar informações com seu consultor e também com a forma que você será representado. Isso inclui alinhamento do estilo de negociação, disponibilidade, capacidade de resposta e compatibilidade pessoal. Um bom consultor jurídico deve atuar como conselheiro estratégico, fornecendo orientações práticas para fechar o acordo com seus objetivos em mente.

4. Custo.

Sempre deve haver equilíbrio na escolha de um advogado ou escritório de advocacia. Para obter o melhor custo-benefício, garanta que a opção escolhida tenha os recursos necessários para fechar seu acordo, sem gastar demais em relação ao valor da transação. A escolha de um escritório maior garantirá que especialistas na sua indústria ou área jurídica estejam disponíveis conforme necessário (por exemplo, direito imobiliário ou propriedade intelectual); mas talvez você queira evitar esses custos e envolver especialistas separadamente, se preciso for. Advogados de M&A experientes  poderão lhe dar uma estimativa dos custos antecipadamente, ou até mesmo estabelecer um limite para os custos totais.

Em conclusão

Dedicar tempo e esforço para selecionar o advogado certo é importante para reduzir o risco e garantir um processo de vendas tranquilo. Escritórios maiores e mais experientes podem cobrar mais por seus serviços, no entanto, dependendo das circunstâncias, pode valer a pena. Como alternativa, uma consultoria menor ou especializada no seu nicho poderá atender às suas necessidades, especialmente se você já tiver fortes conexões de consultoria empresarial.

E depois?

Os advogados são um dos vários tipos de consultores de negócios com os quais você se envolverá durante os estágios pré-LOI ou LOI do seu processo de venda. Adicionalmente, é válido entrar em contato com consultores e contadores especializados em fusões e aquisições e corretores de negócios.

Rolar para o topo